FUZI- Novo WebClip “Pa Para Pá”

0

 

255218_339106476180125_1853274152_n.jpg (960×640)

 

A banda Fuzi, formada em Pindamonhangaba (SP) e nova aposta da Balboa Discos, acaba de lançar o webclipe da faixa Pa para pá, produzido 100% pela banda utlizando diversos brinquedos e a técnica de “stop-motion”. Esse é o segundo vídeo extraído do primeiro álbum do grupo, Ponto de Fusão, lançado em 2012 e que está disponível para download no site oficial do grupo.

 

 

Formada pelo trio Emerson, Zek e Felipe e influenciados por nomes como Green Day, Foo Fighters e Blink 182, a banda Fuzi trabalhou com o renomado produtor Sergio Soffiati durante o ano de 2011 para a gravação de seu primeiro álbum, que conta com 5 faixas inéditas e outras três do EP Como Você Funciona, lançado em 2009, remasterizadas também por Sergio Sofiatti. A banda ainda conta com o apoio da produtora SOUMAB, parceira na produção executiva do grupo no estado de São Paulo.

Emerson Lima, guitarrista da Banda Fuzi, falou sobre a produção do novo vídeo do grupo.“O trabalho foi gigante e cansativo! Nós (integrantes e equipe da banda) moramos em cidades diferentes – parte em São Paulo e parte em Pindamonhangaba, SP – e com isso ficamos com muito pouco tempo para fazer muita coisa, podendo concentrar nossos esforços somente aos finais de semana. Apesar do desgaste, gostamos bastante do resultado final. Tomara que o vídeo agrade aos que assistirem também”, declarou.

Assista abaixo ao clipe de Pa para pá, novo vídeo da banda Fuzi, uma das apostas do rock nacional em 2012 e também acompanhe todas as novidades da banda através de seus canais oficiais, para isso acesse

 

http://passagemdesom.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1102%3Afuzi-novo-single-pa-rara-pa-balboa-discos&catid=57%3Apop&Itemid=171#.UJHm1Dwe-PY.facebook

www.facebook.com/FuziRock

 

www.twitter.com/FuziRock.

ONE EYE DOLL -Novo Video “Comitted”

0

476_10151237029638910_32875773_n.jpg (960×960)

A vocalista do One Eyes Doll Kimberly Freeman ,que participa  da edição
de 2012 da Hottest Chick Hard Rock  da Revolver Mag esta lançado seu novo album chamado
Comitted no  próximo ano de 2013. Mas eles já estão com a premiere do novo video do seu primeiro
single e faixa titulo do album lançado agora. Confira abaixo  o video e comente
se sobreviver a bizzzarice deste video.
2128_47686668909_2452_n.jpg (402×604)
Led by frontwoman Kimberly Freeman, who is featured in the 2012 Hottest Chick in Hard Rock issue out now, One-Eyed Doll will be releasing their new album, Committed, in early 2013. But they are premiering the video for the first single and title track from the record right here right now. Check it out below, and let us know what you think in the comments.

 

ZOMBOY- The New Ep “The Dead Symphonic”

0

295157_356500894430323_1592108083_n.jpg (350×415)

Novo ep de Zomboy o Dj de Dub Step (um estilo que confesso estou muito viciado) lança agora um novo ep chamado The Dead Symphonic

postei algumas das minha preferidas ai abaixo:

 

Zomboy Dub Step Dj release the new Ep Is the The Dead Symphonic

(I addicted on Dub Step Style I confess) but i post the some Songs ok

on to below so Enjpy

 

http://www.facebook.com/ZomboyOfficial

DOWNLOAD FREE

http://www.facebook.com/ZomboyOfficial/app_137541772984354?ref=ts

GLAMOUR OF THE KILL-Entrevista Sobre Novo Album

0

546001_10152100891580455_465991685_n.jpg (960×716)

By Natalie Perez

Recentemente o baixista  e vocal  Davey Richmond, do Glamour Of The Kill, por uma com 10 perguntas  via   Revolver Mag.

Glamour Of The Kill são da gravadora  Music Tour Inked ao lado de bandas como Alesana e Vampiros Everwhere , The Summoning, foi lançado este mês através Music Entertainment One.

Abaixo, Davey Richmond fala do próximo, o novo álbum e planos para um lançamento de acompanhamento.

01. Como você entrou para a banda, e qual é a origem do nome da banda?

Nós começamos em 2007 . Nós todos iamos para a escola juntos, então nós tocamos  em todos anos.. A banda só começou mesmo a partir daí, realmente. O nome da banda era outra coisa. Alguns anos atrás, estávamos em um bar, todos bêbados com nossos amigos na Inglaterra. Um de nossos amigos tinha dito: “Por que você não se chamam de Glamour Of The Kill?”, Que tinha um bom toque para ele. Assim, como nós, nós temos os aspectos dos vocais mais pesados ​​e limpo para que o significado seria apenas Glamour Of The Kill.

02. Vocês têm um som único. Quais bandas você diria que os influenciou?

Eu acho que as nossas influências vem de todos os lugares, como Metallica, Thin Lizzy, Iron Maiden, Avenged Sevenfold, Bullet for My Valentine, As I Lay Dying. Nós não estamos com medo de escrever música que fossem pesados e soassem como Katy Perry. Então é bom ter a mente aberta com a  música  de hoje.

03. Conte nos sobre o nome do álbum,

Para a nossa estréia, queríamos um nome que todos os envolvidos. Então, nós queríamos algo  potênte. Mesmo a faixa acústica do álbum é chamado de  The Summoning.

04. Por que este álbum só está disponível no Reino Unido e não em os EUA? Além disso, para o lançamento nos EUA, você mudou a arte do álbum e do logotipo da banda. Por quê?

Bem, nós não temos um  logotipo nos EUA para liberá-lo. Nós tínhamos acabado de assinar One Entretenimento  contactou-nos, para que todos pudessem ser ouvidos  nos Estados Unidos. Tudo foi  adequado muito bem. Mas todo mundo aqui no Reino Unido foram confundidos por ele, dizendo: “Bem, eu pensei que você já tivesse liberado” Bem, nós fizemos, não apenas para os EUA esta  arte, queriamos  dar-lhe um olhar fresco, porque nós não estávamos feliz com o nosso logotipo antigo. Nós vamos estar usando este novo a partir de agora.

05. Qual é a sua música favorita do The Summoning?

Eu tenho um monte de fmusics favoritas  que eu me orgulho, mas tseria o  primeiro single, “Feeling Alive”. Ele tem grandes riffs e um refrão cativante. Então, eu te digo que esta é meu som preferido com certeza.

06. O que você diria que é mais diferente nesse álbum?

Eu só acho que o som todo ele tem todas as nossas influências, de se estar, mas eu acho que funciona muito bem.

07. Você está prestes a iniciar uma turnê pelos EUA fantástico com Alesana e Vampiros Everywhere! Se você pudesse pensar em uma coisa que você gostaria de realizar com essa turnê, o que seria isso?

Para conhecer e fazer novos fãs, novos amigos, mostrar a todos que somos. Somos o Glamour Of The Kill!

08. O que você tem feito para preparar-se para a turnê?

Temos ensaiado  duramente, sempre colocando coisas em nossos shows ao vivo. Acabamos de chegar dos EUA ontem, bebendo muita cerveja e comer uma boa comida, então nós estamos apenas nos preparando dessa forma. Os caras do Alesana festa louca e por isso estamos nos preparando para isso  também[risos].

09. É  fácil manter a motivação  diariamente no  Glamour Of The Kill?

É muito fácil realmente. Nós amamos turnê e sim  nós vamos dar tudo que temos. É apenas uma oportunidade incrível para a América pela primeira vez. É incrível, então apenas para o momento.

10. O que mais você tem planejado para o resto do ano?

Nós terminamos esta turnê em 7 de novembro. Em 8 de novembro estamos indo para o estúdio para começar a gravar o nosso álbum. Portanto, não podemos esperar estamos realmente animado para grava-lo.

 421175_10152131876515455_498791709_n.jpg (851×315)

We recently tracked down Davey Richmond, bassist/vocalist of England’s Glamour Of The Kill, for a quick 10-question chat, Revolver-style.

Glamour Of The Kill are booked on the Inked Music Tour alongside Alesana and Vampires Everywhere!, and their debut full-length, The Summoning, was released this month via Entertainment One Music.

Below, Davey Richmond discusses the upcoming trek, the new album and plans for a follow-up release.

01. How did you come together, and what’s the origin of the band’s name?

We started in 2007. We had all gone to school together, so we played music for years. Then we started the band playing our own music. It just started from there, really. The band name was something else. A few years back, we were at a bar, all drunk with our friends in England. One of our friends had said, “Why don’t you call yourselves Glamour Of The Kill?” which did have a good ring to it. So with us, we have those aspects of the heavier and clean vocals so the meaning would just be us as Glamour Of The Kill.

02. You guys have a unique sound. Which bands would you say influence you the most?

I think we take our influences from everywhere, like Metallica, Thin Lizzy, Iron Maiden, Avenged Sevenfold, Bullet for My Valentine, As I Lay Dying. We’re not scared to write music whether it’d be heavy or light like Katy Perry. So it’s good to just be open-minded when today’s music.

03. Tell me about the album name, The Summoning.

For our debut full-length, we wanted a name that would get everyone involved and have us get noticed. So we wanted that higher power. Even the acoustic track on the album is called “The Summoning,” so that explains it.

04. Why was this album only available in the UK and not in the U.S.? Also, for the U.S. release, you changed the album artwork and the band’s logo. Why?

Well, we didn’t have a label in the U.S. to release it. We had just gotten signed with eOne Entertainment who had contacted us, so everyone can now hear it in the States. Everything is fitting really well. But everyone here in the UK are confused by it, saying, “Well, I thought you already released it.” Well, we did, just not in the U.S. As for the art, we wanted to give it a fresh look because we weren’t happy with our old logo. We’re going to be using this new one from now on.

05. What’s your favorite song from The Summoning?

I’ve got a lot of favorites and songs I’m proud of, but it would have to be the first single, “Feelin Alive.” It has big riffs and a catchy chorus. So I’d have to say that one for sure.

06. What would you say is most different about this album?

I just think the whole sound of it has all of our influences, and you wouldn’t expect my vocal style to be in, it but I think it works really well.

07. You’re about to start a fantastic U.S. tour with Alesana and Vampires Everywhere! If you could think of one thing you’d like to accomplish through that tour, what would that be?

To meet and make new fans, new friends, show everyone who we are. We’re Glamour Of The Kill!

08. What have you done to prepare yourselves for the tour?

We’ve practiced hard, always putting so much into our live shows. We just arrived in the U.S. yesterday, drinking a lot of beer and eating some good food, so we’re just preparing ourselves that way. The guys of Alesana party hard, so we’re getting ready for that [laughs].

09. How easy is it to keep the motivation going on a daily basis for Glamour Of The Kill?

It’s quite easy really. We love touring so we’re going to give it all we’ve got. It’s just an amazing opportunity to be in America for the first time. It’s awesome, so we just gota live for the moment.

10. What else do you have planned for the rest of this year?

We finish this U.S. tour on November 7. On November 8 we’re heading into the studio to start recording our second full-length album, which is fully written. So we can’t wait to have it done. We’re really excited about it.

 

http://www.facebook.com/glamourofthekill?fref=ts

 

http://www.revolvermag.com/news/0-questions-with-davey-richmond-of-glamour-of-the-kill.html

CIVET-The Biography From Rock Femme

0

419768_10150662905155757_1535656742_n.jpg (291×371)

Civet  banda de  rock de Los Angeles  anunciaram planos para lançar o seu quarto álbum de estúdio, “Love & War”, através da Hellcat em 22 de fevereiro. O álbum também estará disponível em vinil uma data após o lançamento em cd.Liderado pelas irmãs Liza Graves e Suzi Carmichael, Civet, influenciada pelas pioneiras femininas com bandas como The Runaways, Bikini Kill, L7, Hole e The Distillers, com o lançamento
de “Love & War”. seu novo álbum de estúdio.

“Gravando o novo album foi muito libertador, sabíamos o que queríamos e foi por isso!” diz Graves. “Nossos vocais  são maiores e mais cruel do que o último album, juntamente com solos de guitarra  e vocais crus todo mundo já fez por  amor;. Que a combinação de Motörhead com  poder bruto  de  várias influências que podem ser ouvidos em todas as músicas, para todo o album  não reflete uma determinada época ou gênero. Nós não tinham medo dos âmbitos do espectro musical ao escrever este album. ”

Depois de sua estréia Hellcat, ‘Hell Hath No Fury “, em 2008, Civet tomou o mundo de assalto, em turnê pela Europa, Japão e América do Norte extensivamente com grandes nomes como Molly Flogging, H20, The Adicts, Dropkick Murphys, The Pogues e as Vans Warped Tour. O álbum recebeu elogios de críticos e fãs, e expectativa para o seu follow-up tem sido crescente desde então.

Civet passou os últimos anos na estrada refino direção da banda, e quando chegou a hora de gravar o seu seguimento “Hell Hath No Fury” decidiu renunciar um produtor de fora e gravar o álbum se. “Sabíamos que a visão que tínhamos para este registro melhor do que ninguém, por isso decidimos ir para ela!” diz Carmichael.

E o resultado é “Love and War”, 14 faixas ousadas e sem remorso sobre relacionamentos que deram errado, sonhos destruídos e sua jornada para onde eles estão hoje. Com um senso de realidade amadurecida, as meninas foram  mais fundo do que nunca de antes do  traduzido as suas experiências ao longo dos últimos anos, em letras de almas dolorosas o novo álbum. “Neste disco, Suzi e eu não só encontrou a nossa voz, mas redescobriu o nosso raízes punk rock ‘n’ roll”, diz Graves.

Civet com  músicas como o hino de  “LA Nights” angústia alimentada “Summer of Hate”, e afundar suas garras nos  fãs em um dos melhores álbuns da banda escrito ainda.

168668_10150121859550757_4427960_n.jpg (534×383)

LA rock band Civet have announced plans to release their fourth studio album, ‘Love & War,’ via Hellcat Records on February 22. The album will also be available on vinyl at a later date.

Led by provocative sisters Liza Graves and Suzi Carmichael, Civet hold the torch once held by such groundbreaking female-fronted bands as The Runaways, Bikini Kill, L7, Hole and The Distillers, with the release

of their fearless new studio album ‘Love & War.’

“Recording the new record was very liberating; we knew what we wanted and went for it!” says Graves. “Our choruses are bigger and badder than the last record, coupled with blazing guitar solos & raw vocals everyone has come to love; that combination of Motörhead grit and ‘77 raw power. There are various influences that can be heard on all the songs, so the whole record doesn’t reflect one particular era or genre. We weren’t afraid to pull from all scopes of the musical spectrum when writing this record.”

After their Hellcat debut, ‘Hell Hath No Fury,’ in 2008, Civet took the world by storm, touring Europe, Japan and North America extensively with such greats as Flogging Molly, H20, The Adicts, Dropkick Murphys, The Pogues and the Vans Warped Tour. The album received rave reviews from critics and fans and created a whirlwind of press for the band, and anticipation for their follow-up has been mounting ever since.

Civet spent the last several years on the road refining the band’s direction, and when it came time to record their follow up to ‘Hell Hath No Fury’ decided to forgo an outside producer and record the album themselves. “We knew the vision we had for this record better than anybody, so we decided to go for it!” says Carmichael.

And the result is ‘Love and War,’ 14 daring and unapologetic tracks about relationships gone wrong, shattered dreams and their journey to where they are today. With a matured sense of reality, the girls dug deeper than ever have before and translated their experiences over the past few years into soul wrenching lyrics and choruses on the new album. “On this record, Suzi and I not only found our voice, but we rediscovered our punk rock ‘n’ roll roots,” says Graves.

Armed with Graves’ trademark deep raspy vocals and Carmichael’s incendiary lead guitars, Civet bare their teeth on songs like the brash party anthem, “L.A. Nights” and the angst fueled “Summer of Hate,” and sink their claws into fans with feverous deploy on one of the band’s best written albums yet.

YOUNG DREAMS-Noruegueses Envolvente

0

 

 

190367_184753371569912_1687461_n.jpg (708×720)

 

Cris Baio do Vampire Weekend remagino  Fog Of War o melancolico hino do grupo
noruegues Young Dreams com uma produção tropical envolvente,inscrita sobre a dualidade
de uma obscura base percusiva  de aparência metálica uma cobertura solar que proporciona
aos vibrantes sintezidadores .   O sotisficado upbeat com mobilidade techno aparece em        Fog Of War recenemente publicada na Modular People que inclui remixes de Lemonade  e Korallreven.
540780_360960920615822_1381695263_n.jpg (800×536)
Chris Baio de Vampire Weekend reimaginó ‘Fog Of War’, el melancólico himno del grupo noruego Young Dreams, al que pigmentó de producción tropical envolvente, inscrita sobre la dualidad de una oscura base percusiva de apariencia metálica y la cobertura solar que proporcionan los sintetizadores pulsantes. El sofisticado upbeat de movilidad technoaparece en ‘Fog Of War EP‘ reciente referencia publicada por Modular Peopleque también incluye remixes de Lemonade y Korallreven.

BEACH DAY – Um Grande Day Na Surf Pop

2

 

561010_426969124016111_1451467332_n.jpg (960×694)

 

Praiano e divertido  o Nome é Beach Day  esta banda é como uma espécie de Ronettes encontrando Black Lips Mash.

“Eles são como a banda que sonoramente tem  grande influencia  surf rock. Da mesma Dum Dum Girls, Best Coast, Raveonettes, Black Lips e todos os outros que apresentam aqui em uma base, normalmente, têm um dia da praia rock de garagem dos anos 60 lcom aqueles vocais do grupo de menina

“Beach Day é especializada em  praia, tem atitude de banda de  garagem com espírito de grupo feminino pop. Fato, essa fonte existe a cerca de 50 anos, e um monte de atos jovens estão revivendo agora, mas a interpretação dessa banda é tão natural e incandescente que fazê-lo sentir completamente . eles têm toda a nostalgia romântica, mas com um pé na garagem. mas sua virtude universal é o seu dom raro melódico e  tem o descontraído instinto som  praiano . E essa é a diferença. É por isso que o som de todas as suas canções. Além disso, a cantora Kimmy Drake tem a verdadeira voz de uma lider feminina de um grupo.

534933_420155941364096_689694484_n.jpg (960×640)
Beachy and fun, this band is sort of like a Ronettes meets Black Lips mash up.” ~ Brooklyn Exposed

“They are like the band that sonically beats-up the resident surf rock bands. Cut from the same cloth as Dum Dum Girls, Best Coast, Raveonettes, Black Lips and all the others I feature here on a normally basis, Beach Day have a slick and steady 60s garage rock sounds with those girl group vocals

 you crave.” ~ Music Snobbery

“Beach Day specializes in a beachy (duh), garage-minded breed of girl-group pop. Indeed, this wellspring goes back about 50 years, and lots of young acts are reviving it now, but this band’s interpretation is so natural and incandescent that they make it feel completely fresh again. They have all the romantic nostalgia that you want from this fare but with just enough garage grit to be au courant. But their universal virtue is their rare melodic gift. Most of their ilk simply don’t have the stunningly easygoing songwriting instinct that Beach Day does. And that’s the difference. It’s basic but it’s everything. It’s why all their songs sound like singles. Moreover, singer Kimmy Drake has the true voice of a girl-group leading lady, something like a young, white Ronnie Spector raised on punk.”
~ Orlando Weekly